Pilates no Tratamento da Mielomeningocele – Blog The Pilates Fisio Fitness

pilates Pilates no Tratamento da Mielomeningocele

O Pilates pode ser um forte aliado no tratamento de doenças como a Mielomeningocele que atinge parte Neurológica, Ortopédica e Urogenital. Principalmente a questão ortopédica, temos ótimos resultados. Mas vamos falar um pouco sobre a doença seus sintomas e o tratamento. Vamos lá!

A mielomeningocele é uma malformação congênita ocasionada pelo defeito de fechamento do tubo neural embrionário. A medula espinhal é deslocada dorsalmente em função da falta de estruturas de apoio posteriores. As principais complicações são relacionadas a distúrbios neurológicos, ortopédicos e renais.

Como distúrbios neurológicos, observa-se o comprometimento no desenvolvimento neuropsicomotor, a hidrocefalia, a malformação de Arnold Chiari, a bexiga e o intestino neurogênicos.

As manifestações ortopédicas ocorrem sob a forma de paralisia de MMII, pé torto congênito, luxação congênita de quadril, escoliose, deficiência motora e contraturas musculares generalizadas.

O acometimento renal decorrente da bexiga neurogênica é caracterizado por incontinência urinária, alterações na sexualidade, refluxo vesicoureteral e hidronefrose.

Atualmente, com os avanços dos tratamentos de saúde, a sobrevivência até a idade adulta é mais de 50%. Nessa direção, um dos focos da reabilitação desse público é a transição dos cuidados ao longo da adolescência para a idade adulta, com abordagem de questões que podem comprometer a qualidade de vida, e a autonomia.

Tendo em vista todos estes aspectos, nota-se quão necessário se faz uma abordagem fisioterapêutica precoce nestes pacientes. Onde O Pilates se enquadra buscando eliminar ou minimizar as alterações proporcionadas por esta patologia.

reabilitação pilatesPilates no Tratamento Ortopédico

As alterações de caráter ortopédico acometem as mais variadas porções do corpo, tais como coluna vertebral, quadris, joelhos e pés. São causadas pelo desequilíbrio entre a musculatura agonista e antagonista envolvidas. O nível da lesão, determina a condição de tônus e trofismo da musculatura envolvida e, conseqüentemente, promove as alterações observadas na sua musculatura antagonista. O tratamento destas enfermidades deve ser baseado em manipulações e reequilíbrio da musculatura envolvida no processo patológico.

Na prevenção do encurtamento, que posteriormente leva à formação de contraturas e deformidades. Podemos atuar com exercícios passivos; alongamento das cadeias musculares que apresentam o tônus normal ou aumentado, devido à sua tendência à retração. Tração manual de estruturas. Mobilizações intra-articulares. Estes princípios mantém o arranjo linear do colágeno, ativação da cinética do líquido sinovial e promoção de melhor aporte sanguíneo. Como consequência aumento da flexibilidade das estruturas musculares.

Para se evitar as contraturas e deformidades nestes pacientes não devem estar limitados apenas ao horário correspondente ao atendimento fisioterapêutico. Deve-se lançar mão do uso da imobilização controlada por meio de goteiras de gesso ou termoplásticas. O ortostatismo precoce auxilia tanto no ganho e manutenção do comprimento quanto a força e propriocepção muscular.

Quanto ao fortalecimento e aumento de tônus da musculatura débil, a fisioterapia pode atuar através da estimulação elétrica neuromuscular, a fim de restaurar a força através do recrutamento de unidades motoras, bem como promovendo um estímulo proprioceptivo a esta musculatura. A prevenção ou minimização de contraturas dos membros inferiores e, conseqüentemente, de padrões cinemáticos assimétricos, leva a uma melhora significativa no processo de deambulação desenvolvido por estes pacientes.

Podemos utilizar muitos exercícios e equipamentos de Pilates principalmente no alongamento e reequilíbrio muscular. Sabe-se que o Pilates promove o reequilíbrio muscular através de do trabalho de músculos profundos e superficiais. Podendo ser exercícios ativos assistidos com uso de molas, fitas e barras dos equipamentos, que pode facilitar o trabalho de reabilitação. De quebra pelo trabalho de propriocepção do assoalho pélvico podemos auxiliar na reabilitação urogenital principalmente na incontinência urinária.

Artigo Escrito por

Camilo Barbosa Junior Crefito3 150302-F
Fisioterapeuta, Especialista Fisiologia do Exercício, Especialista em Reabilitação Aplicada ao Esporte (Unifesp), Pós-graduando em Formação Docente no Ensino Superior. Possui diversos Cursos de Pilates (Completo, Avançado em Suspensão, Patologias, Gestação, Alongamento Consciente, Atualização em Pilates) total de 14 cursos. Pesquisas e áreas do conhecimento em Reabilitação, biomecânica e Pilates – Coluna, Ombro e Quadril. Ministrante de Cursos de Pilates Completo e Avançado em Patologias Ortopédicas desde 2010.

Contatos: Tel:11.96781-1979 (whats), contato@thepilatesfisiofitness.com.br/ blogpilates@thepilatesfisiofitness.com.br  https://www.facebook.com/junior.fisio.39

No curso de Pilates Avançado em Patologias Ortopédicas: Módulo Coluna & Ombro veremos todos os aspectos teórico e prático e o aprendizado no que tem de mais atual na reabilitação.
Acesse nosso site e saiba mais.
Site: http://www.thepilatesfisiofitness.com.br
Youtube https://www.youtube.com/channel/UC_bdG719cfjaSbcLicmsaqA
Facebook https://www.facebook.com/FisioFitnessPilates
Instagram https://www.instagram.com/thepilatesfisio

Trinque seu abdome e Proteja sua Coluna – BLOG PILATES FISIO FITNESS

Dicas do Curso de Pilates Fisio Fitness

Aproveite as Dicas do Professor Junior – Fisioterapeuta da Escola de Curso de Pilates – The Pilates Fisio Fitness
Nesse vídeo mostramos os exercícios do Pilates com a bola.
Além de ser um acessório incrível, a bola de Pilates promete e promove muitos benefícios:
Dentre os benefícios podemos citar:

Equilíbrio;

Propriocepção;

Ativação Muscular Efetiva;

Coordenação Motora;

Força e Aumento nos ajustes Finos;

Auxilia na percepção corporal, inclusive para estímulos do assoalho pélvico (Kegel)

Além dos benefícios já conhecidos do Pilates

 

Opinião Formada Sobre a Bola

No Curso de Pilates costumo dizer que a bola é tão eficaz, tem tanta importância quanto os aparelhos.

Promover tantos benefícios, além de trazer desafio aos alunos mais avançados.

Considero a bola de Pilates, não como acessório, mas sim como um equipamento essencial, assim como: Cadillac, Reformer, Chair, Barrel.

Um Studio de Pilates sem a bola é um Studio incompleto.

Em outro artigo trago algumas Dicas de como montar um Stúdio de Pilates e quais os melhores acessórios. De antemão já aviso, A BOLA DE PILATES É O PRIMEIRO ACESSÓRIO.

 

Mas vamos a Dica de Hoje: Exercício Cordination e uma variação do mesmo

Obs: O vídeo não isenta o aluno de uma Avaliação Por um Instrutor Qualificado. Jamais realize os Exercícios por conta e risco. Um Fisioterapeuta ou Professor de Educação Física estão qualificados (principalmente os formados pela escola).

 

 

Autor:

Camilo Barbosa Junior Crefito3 150302-F
Fisioterapeuta, Especialista Fisiologia do Exercício, Especialista em Reabilitação Aplicada ao Esporte (Unifesp), Pós-graduando em Formação Docente no Ensino Superior.

Curso de pilates completo, Avançado em Suspensão, curso de pilates nas Patologias, curso de pilates na Gestação.

Pesquisas e áreas do conhecimento em Reabilitação, biomecânica e Pilates – Coluna, Ombro e Quadril. Ministrante do Curso de Pilates CompletoAvançado em Patologias Ortopédicas desde 2010.
contato@thepilatesfisiofitness.com.br/ blogpilates@thepilatesfisiofitness.com.br Tel:11.96781-1979 (whats) https://www.facebook.com/junior.fisio.39

Vídeos de Dicas, Cursos e Depoimentos
Youtube https://www.youtube.com/channel/UC_bdG719cfjaSbcLicmsaqA

Nossos Cursos de Pilates – Curso de Pilates CompletoPilates na Gestação, Pilates na Patologias Ortopédicas: Módulo Coluna & Ombro,  Pilates Suspenso

Pilates na Reabilitação Física e Mental – BLOG PILATES FISIO FITNESS

pilates na reabilitação

O alemão Joseph Hubertus Pilates (1883-1967) teve uma infância doente, convivendo com asma, raquitismo e febre reumática.

Foi por meio dessas condições que ele aprofundou-se nos fundamentos da Yoga, artes marciais, ginástica, Musculação, meditação, e movimentos dos animais, e desenvolveu a  técnica que seria chamada de Pilates.

O método teve como objetivo a sua auto reabilitação e em meados de 2000 ele realmente foi comprovadamente utilizada como Pilates na Reabilitação.

A técnica foi levada ao campo de concentração da ilha de Man, durante a primeira Guerra Mundial, e o Pilates na reabilitação foi utilizada com os doentes com exercícios diários. Há relatos de que esses prisioneiros sobreviveram à grande pandemia de 1918, devido à sua boa forma.

Como alguns soldados não podiam sair da cama, Joe improvisou aparelhos com moldas de colchões presas nas cabeceiras das macas, e das cadeiras de rodas.

Pilates na reabilitação

Toda essa história de desenvolvimento do Pilates, observa- se a vontade ímpar de Joseph Pilates em ser saudável, e a ajudar a reabilitar diferentes enfermidades, abrindo caminho para a Reabilitação.

A intenção de Joseph Pilates em reabilitar pessoas com sua técnica, foi utilizando os 6 princípios de Pilates: respiração, centro, concentração, controle, precisão, fluidez;

A Respiração, que é vital, e por isso automática, não precisamos  parar e pensar na respiração para ela acontecer. E é exatamente por esse mesmo motivo que ela é prejudicada. Pare por 10 segundos, e preste atenção na sua respiração. Ela é curta? Rápida demais? É mais torácica, ou abdominal? Cada tipo de respiração tem relação com um encurtamento muscular, uma tensão, algum problema respiratório. E o Pilates vai te ensinar a equilibrar os músculos envolvidos na respiração.

Usando o centro de força, o chamado “powerHouse”, ou Casa de Força, assim chamado pelo mestre Joseph Pilates, reabilitamos praticamente todas as patologias físicas.

Ele é composto por conjunto muscular que sustentam a coluna e dos órgãos internos. O fortalecimento desse grupo muscular, gera a estabilização do tronco e o alinhamento biomecânico do corpo com menor gasto energético. Assim você pode fazer as mesmas atividades do dia a dia, e usar um esforço menor.

Os músculos do Centro de Força são: as quatro camadas do abdômen (reto abdominal, oblíquo externo, oblíquo interno e transverso do abdômen), assoalho pélvico, eretores profundos da coluna, flexores e extensores do quadril. Além dos movimentos em si, a prática da respiração ajuda muito no fortalecimento desta musculatura.

O uso do Pilates na reabilitação

Ativando-se corretamente e constantemente os músculos do PowerHouse consegue-se reabilitar não somente as patologias da região, dos músculos envolvidos, mas também os desequilíbrios distais são corrigidos.

Joseph Pilates usou como fonte de inspiração, a Meditação.

Através de um estudo da UCLA, contatou-se que a meditação o indivíduo pratica, mais áreas do cérebro são beneficiadas, como o pensamento, memória, juízo e decisão.

A base da meditação é a concentração na sua respiração, e esvaziamento da mente, concentrando-se naquele momento. E foi esse principio de concentração que Joseph trouxe para o Pilates. Concentrando-se durante a execução dos movimentos, junto com a respiração, pode-se alcançar a reabilitação tanto física quanto mental.

Associado ainda a respiração, e concentração, adicionamos dois princípios do método Pilates. O controle e a precisão. Observa-se a aplicabilidade na ginástica artística e nas artes marciais, fontes de inspiração a Joseph Pilates.

O indivíduo controla seu corpo, e não o seu corpo controla o indivíduo.

Realizar um movimento lento e com controle, sendo preciso na sua contração, e eficiência, traz uma maior percepção corporal, dessa maneira o alinhamento das articulações se torna automático. Um corpo alinhado, com as articulações trabalhando de forma harmônica, consegue-se a reabilitação de patologias ligadas aos problemas articulares.

Joseph Pilates conclui seus princípios utilizando-se também da observação na natureza, e assim como a água que de forma fluída se adapta aos caminhos na natureza, a vida, e os movimentos do corpo humano, devem ser fluidos, naturais.  A fluidez durante a execução dos exercícios, geram menor gasto energético, e o organismo aproveita a fase concêntrica e excêntrica dos movimentos, resultando num treino equilibrado e funcional, protegendo os tecidos de possíveis desgastes prematuros, e corrigindo aqueles existentes.

Chegamos à conclusão de que todos os Princípios são bem fundamentados e geram de forma natural o equilíbrio Mental e Físico que o organismo precisa para se manter saudável, sem patologias. E que o Método possui todas as ferramentas necessárias para reabilitar um organismo em desequilíbrio.

Sabendo de todos esses aspectos, podemos afirmar SIM, o pilates na reabilitação física e mental realmente é eficiente!

Ajude pessoas que você conheça e que precisam dessa orientação.  Compartilhe esse conteúdo.

Fontes:

6 Princípios do Pilates – Revista Pilates [online]

Artigo: Anne Caroline Luz Grudtner da Silva[a], Giuliano Mannrich[a]. PILATES NA REABILITAÇÃO: uma revisão sistemática. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 22, n. 3, p. 449-455, jul./set. 2009 [online]

Artigo: Rivien Aparecida de Souza Martins ,Raphael Martins Cunha. MÉTODO PILATES: HISTÓRICO, BENEFÍCIOS E APLICAÇÕES REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Goiânia 2013 [online]

História de Joseph Pilates – Associação Brasileira de Pilates.[ estudo realizado na Formação em Pilates]

A mente é maravilhosa – estudo sobre a meditação [online]

Quer saber mais? Acesse:

Formação Completo em Pilates
Formação Avançada em Patologias Ortopédicas
Formação em Pilates Suspenso
Formação Avançada na Gestação
BLOG de Pilates
Facebook
Youtube Vídeos

Artigo Escrito por

Instituto Rodrigo Ribeiro

Acesse nosso facebook https://www.facebook.com/Institutorodrigoribeiro/?ref=bookmarks

Nosso Youtube https://www.youtube.com/channel/UC4bx_nk-BRbGHs50yBQTmUQ

Nosso site www.institutorodrigoribeiro.com.br

Nosso Instragram @institutorodrigoribeiro

 

Pilates na Lombalgia e Como Tratar – BLOG PILATES FISIO FITNESS

Pilates na LombalgiaPilates na lombalgia

O pilates na lombalgia vem ganhando grande notoriedade no mundo da reabilitação devido sua grande eficacia na reabilitação de alguns músculos essenciais. saiba abaixo tudo que necessita saber.

Estudos epidemiológicos demonstram que cerca de 50 a 90% dos indivíduos adultos apresentam lombalgia em algum momento de sua vida (GREVE et al, 2003). 90% ou mais das lesões lombares ocorrem no nível discal L4-L5 ou L5-S1. O disco L4-L5 geralmente comprime a 5ª raiz lombar (Evans, 2003).

Dor lombar

Na prática clínica a dor lombar tem sido avaliada e tratada através do raciocínio que engloba, além das próprias alterações mecânicas localizadas do disco intervertebral (Teyhen et al., 2007; LAIRD et al., 2012), as alterações posturais (Scannel; MCGILL, 2003; SMITH et al., 2008; LAIRD et al., 2012), alterações no controle neuromuscular (HODGES et al., 2009; LAIRD et al., 2012) e desequilíbrio e atrofia muscular (LAIRD et al., 2012).

É um consenso entre os estudos demonstrando que pacientes com dor lombar crônica apresentaram, quando comparados aos saudáveis, diferenças no controle motor da região lombar, como atraso na ativação muscular (RADEBOLD et al., 2000; CHOLEWICKI et al., 2005), déficit de controle postural (RADEBOLD et al., 2001; BRUMAGNE et al., 2004; HENRY et al., 2006; VOLPE et al., 2006) e alteração no padrão de recrutamento muscular (VAN DIEËN et al., 2003; LARIVIERE et a., 2005; HODGES et al., 2009).

Ativação dos músculos chave

Kibler et al. (2006) consideram a fraqueza e atraso na ativação da musculatura extensora de tronco uma das principais causas de dor. Através de eletromiografia, Hodges et al. (2001); Leinonen et al. (2001); Hodges (2003) e Boudreau et al. (2011) também demonstram atraso na ativação muscular de multífidos, transverso abdominal e extensores de tronco durante a movimentação ativa dos membros em indivíduos com dor. Outros autores mostraram ainda que na presença de dor lombar recorrente e crônica, músculos específicos como os multífidos e transverso abdominal apresentam, além de atraso no tempo de ativação, redução da área de secção transversa (FERREIRA et al., 2004; FERREIRA et al., 2009).

Essa Ativação dos músculos chave, são o carro chefe do pilates na lombalgia e de outros problemas na coluna.

Propriocepção

O treino proprioceptivo tem sido sugerido como um importante aspecto da intervenção no tratamento e reabilitação da lombalgia e envolveriam principalmente exercícios de equilíbrio, postura e estabilização. No entanto, um programa de reabilitação específico para melhorar a propriocepção da coluna ainda não foi estabelecido (PETERSEN et al., 2008; TOMÉ et al., 2012), e existem poucos dados que suportem essa ideia (NEWCOMER et al., 2000; GEORGY et al., 2011).

Sabe-se que o fortalecimento e estabilização da coluna lombar são formas de prevenir e tratar as lombalgias. Hoje vamos apresentar 4 exercícios de Pilates na lombalgia que podemos realizar para melhora do quadro.

Lembrando quê: Isso não descarta uma Avaliação Fisioterapêutica e Médica para o melhor tratamento.

Esses e outros muitos exercícios para patologias de coluna podem ser encontrados em nossos cursos de Pilates na lombalgia:

Curso Pilates Completo Clique Aqui 

Curso Pilates na Reabilitação Clique Aqui.

 

Vamos aos Exercícios?

Lombalgia-curso-de-pilates-sp
melhores exercícios para lombalgia

Gostou de nossas dicas? Baixe grátis nosso E-book aqui.

Nos Próximos Artigos vamos descobrir exatamente a função de cada exercício e onde e quando deverá ser empregado. Fique ligado!
Enquanto isso Leia Outros Artigos do Blog e Site, Prestigie Nosso Facebook e Youtube.

 

Bibliografia

Hodges, P.; van den Hoorn, W.; Dawson, A.; Cholewicki, J. Changes in the mechanical properties of the trunk in low back pain may be associated with recurrence. J Biomech, v.42, p.61-6, 2009.

Kibler, W. B.; Press, J.; Sciascia, A. The role of core stability in athletic function. Sports Med, v.36, n.3, p.189-98, 2006.

Georgy, E.E. Lumbar Repositioning Accuracy as a Measure of Proprioception in

Patients with Back Dysfunction and Healthy Controls. Asian Spine Journal, v. 5, n. 4, p. 201-207, 2011.

Petersen, C.M.; Zimmermann, C.L.; Cope, S.; Bulow, M.E.; Ewers-Panveno, E.

Journal of NeuroEngineering and Rehabilitation, v.5, n.9, 2008.

Tomé, F.; Ferreira, C.B.; Cornelli, R.J.B.; Carvalho, A.R. Lombalgia crônica: comparação entre duas intervenções na força inspiratória e capacidade funcional. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 25, n. 2, p. 263-272, abr./jun. 2012.

Artigo Escrito por

Camilo Barbosa Junior Crefito3 150302-F
Fisioterapeuta, Especialista Fisiologia do Exercício, Especialista em Reabilitação Aplicada ao Esporte (Unifesp), Pós-graduando em Formação Docente no Ensino Superior. Possui diversos Cursos de Pilates (Completo, Avançado em Suspensão, Patologias, Gestação, Alongamento Consciente, Atualização em Pilates) total de 14 cursos. Pesquisas e áreas do conhecimento em Reabilitação, biomecânica e Pilates – Coluna, Ombro e Quadril. Ministrante de Cursos de Pilates Completo e Avançado em Patologias Ortopédicas desde 2010.
contato@thepilatesfisiofitness.com.br/ blogpilates@thepilatesfisiofitness.com.br Tel:11.96781-1979 (whats) https://www.facebook.com/junior.fisio.39

Acesse nosso site e saiba mais.
Site: http://www.thepilatesfisiofitness.com.br
Youtube https://www.youtube.com/channel/UC_bdG719cfjaSbcLicmsaqA
Facebook https://www.facebook.com/FisioFitnessPilates
Instagram https://www.instagram.com/thepilatesfisio

Pilates na Cervicalgia: Como Avaliar e Tratar – BLOG PILATES FISIO FITNESS

pilates na cervicalgia

Pilates na cervicalgia: Avaliação e Tratamento

Pilates na Cervicalgia, ou qualquer outra forma de tratamento é necessário conhecer e entender o termo e o que pode acometer. para isso abaixo listamos aspectos importantes.

A dor no pescoço (cervicalgia) pode ter origens diversas, sendo elas desde alterações posturais, como traumas mecânicos, compressões articulares, retificações, dentre outras. Entende-se que o termo cervicalgia não se refere a uma patologia propriamente, mas sim a um sintoma ou uma forma de manifestação de alterações musculares dolorosas (Machado, 2013).

Aspectos Clínicos da Cervicalgia

Normalmente apresenta aspectos clínicos multifatoriais, uma vez que podem envolver fatores individuais de risco (tanto com características físicas ou mesmo emocionais), ou ligados à ergonomia e às atividades laborais (Vianna et al, 2011).

As diferentes dimensões das dores crônicas na coluna necessitam de ampla descrição da entidade apresentada na doença, o que de acordo com (Waddell, 2013) incluem principalmente “comprometimento por dor, deficiência física e incapacidade”.

A cervicalgia é muito comum na população em geral (Jordan, 1998). Nos países ocidentais, a dor no pescoço é relatada como uma das principais causas de licença médica de longo prazo e de pensões trabalhistas. Persistente e debilitante, a dor no pescoço decorrente de acidentes de carro também é comum.

Por isso, fica difícil delimitar com precisão um traçado único da prevalência das cervicalgias.

Estudos Brasileiros

Em três estudos nacionais recentes a prevalência da cervicalgia foi avaliada na população geral brasileira (sem delimitações ou especificações outras desse grupo) (Silva et al, 2012).

Machado (2013), refere que as dores cervicais afetam 30% dos homens e 43% das mulheres em algum momento de suas vidas. Silva encontrou que a cervicalgia acomete em média de 12% a 34% da população adulta em alguma fase de sua vida, com maior incidência no sexo feminino e trazendo algum tipo de comprometimento em sua atividade laboral.

Antônio (2011) refere que a prevalência da cervicalgia é estimada em 29% nos homens e 40% nas mulheres, podendo esses números serem ainda maiores quando avaliadas populações selecionadas de acordo com atividades exercidas no trabalho.

A cervicalgia pode ainda causar outros tipos de danos para o indivíduo, como alterações e/ou compensações no sistema osteomuscular, como por exemplo, na cintura escapular, podendo ocasionar tensões associadas que influenciem na postura da cabeça e mandíbula, podendo evoluir para um quadro de disfunção temporomandibular, como foi visto em estudo de (Gorreri et al, 2008) em que 100% dos indivíduos pesquisados e portadores de cervicalgia, apresentaram disfunção temporomandibular.

Escalas e Questionários

Para mensurar o impacto que a cervicalgia pode causar no indivíduo, bem como as limitações por ela geradas, diversos questionários e escalas de avaliação foram desenvolvidos, sendo frequentemente na língua inglesa (Pietrobon, 2002), como Neck Disability Index (NDI) (Vermon, 1998), Neck Painand Disability Scale (NPDS) Cervical Spine Outcomes Questionnaire (CSOQ) (Menezes, 2012), Northwick Park Neck Pain Questionnaire (NPK) (Moffett, 2005).

As escalas e questionários de auto-avaliação, além da importância científica, podem nortear a prática clínica (Fejer, 2008).

O questionário The Copenhagen Neck Functional Disability Scale (CNFDS) é uma ferramenta de avaliação clínica que evidencia com precisão a percepção do paciente com relação a sua funcionalidade frente ao cenário da dor cervical, sendo capaz de ajudar a orientar suas perspectivas clínicas (Misterska, 2011).

Escala

Curso_de_Pilates
Quer saber sobre Pilates na cervicalgia e muito mais? Curso de Patologias Ortopédicas

As questões de número 1 a 5 são questões de direção positiva, ou seja, uma resposta “sim” indica uma boa condição cervical. Já as questões de número 6 a 15 são questões de direção negativa, assim sendo, uma resposta “sim” indica uma pobre condição cervical. Com isso, a pontuação máxima possível é de 30 pontos, e a mínima é de 0, sendo que quanto maior a pontuação, maior a disfunção (Waddell, 2013).

Score

  • A classificação da disfunção segue tal como no artigo original:
     1 a 3 pontos = incapacidade mínima;
     4 a 8 pontos = incapacidade leve;
     9 a 14 pontos = incapacidade leve à moderada;
     15 a 20 = incapacidade moderada;
     21 a 26 = incapacidade moderada à intensa;
     27 a 30 = incapacidade intensa.

Tratamento com Pilates na Cervicalgia (Lembrando que, são algumas sugestões)

Sabe-se que a terapia combinada é a mais eficaz no tratamento. Dentro das terapias ou métodos podemos utilizar o Pilates que, engloba uma série de combinações.
Abaixo segue nossas dicas de exercícios para melhorar a postura e o realinhamento, fortalecendo e diminuindo o quadro álgico. E você quais exercícios do Pilates na cervicalgia usaria para realização de um tratamento eficaz? Descreva abaixo!

 pilates na cervicalgia

Bibliografia

The Copenhagen neck functional disability scale – CNFDS: translation and cultural adaptation to brazilian portuguese Journal of Human Growth and Development, 2014; 24(3): 304-312

Viana PB, Benini LV, Vasconcellos C. Programa de ginástica laboral versus desconforto laboral. Coleção Pesquisa em Educação Física. 2011; 10(2): 125-32.

Silva RMV, Lima MS, Costa FH, Silva AC. Efeitos da quiropraxia em pacientes com pilates na cervicalgia: revisão sistemática. Rev Dor. São Paulo. 2012; 13(1):71-74.

Gorreri MC, Guimarães EA, Barbosa KVMS, Barbosa GAS, Baraúna MA, Strini PJSA, et al. Relação entre cervicalgia e disfunção temporomandibular. Fisioterapia Brasil. 2008 Jul /Ago; 9(4): 264-268.

Menezes EM, Rocha RO, Moreira AAD, Nascimento DG, Araújo AEP, Maia LCS. Artroplastia total do disco cervical com prótese de Bryan. Resultados Clínicos e funcionais. Rev Coluna/Columna. São Paulo, 2012; 11(3): 214-8.

Vermon H, Mior S. The Neck Disability Index: a study of reliability and validity. Journal of manipulative and physiological therapeutics. 1991,14(7):409-15.

Moffett JAK, Jackson DA, Richmond R, Hahn S, Coulton S, Farrin A, et al. Randomised trial of a brief physiotherapy intervention compared with usual physiotherapy for neck pain patients: outcomes and patient’s preference. BMJ 2005; 330-75.

Fejer R, Jordan A, Hartvigsen J. Neck pain and disability due to neck pain: what is the relation? Eur Spine J. 2008; 17:80–88.

Misterska E, Jankowski R, Glowacki M. Crosscultural adaptation of the Neck Disability Index and Copenhagen Neck Functional Disability Scale for patients with neck pain due to degenerative and discopathic disorders. Psychometric properties of the Polish versions. BMC Musculoskelet Disord. 2011 Apr 29;12:84.

Gostou de nossas dicas? No curso de Pilates Avançado em Patologias Ortopédicas: Módulo Coluna & Ombro veremos todos os aspectos teórico e prático e o aprendizado no que tem de mais atual na reabilitação. Acesse nosso site e saiba mais.

Site: http://www.thepilatesfisiofitness.com.br
Youtube https://www.youtube.com/channel/UC_bdG719cfjaSbcLicmsaqA
Facebook https://www.facebook.com/FisioFitnessPilates
Instagram https://www.instagram.com/thepilatesfisio

#pilates #thepilatesfisiofitness #fisiofitness #pilatessp
#Pilateslovers #pilatesbrasil #ortopedia #educaçãofisica #fisioterapia #thepilates

Artigo Escrito por

Camilo Barbosa Junior Crefito3 150302-F
Fisioterapeuta, Especialista Fisiologia do Exercício, Especialista em Reabilitação Aplicada ao Esporte (Unifesp), Pós-graduando em Formação Docente no Ensino Superior. Possui diversos Cursos de Pilates (Completo, Avançado em Suspensão, Patologias, Gestação, Alongamento Consciente, Atualização em Pilates) total de 14 cursos. Pesquisas e áreas do conhecimento em Reabilitação, biomecânica e Pilates – Coluna, Ombro e Quadril. Ministrante de Cursos de Pilates Completo e Avançado em Patologias Ortopédicas desde 2010.
contato@thepilatesfisiofitness.com.br/ blogpilates@thepilatesfisiofitness.com.br Tel:11.96781-1979 (whats) https://www.facebook.com/junior.fisio.39

No curso de Pilates Avançado em Patologias Ortopédicas: Módulo Coluna & Ombro veremos todos os aspectos teórico e prático e o aprendizado no que tem de mais atual na reabilitação.
Acesse nosso site e saiba mais.
Site: http://www.thepilatesfisiofitness.com.br
Youtube https://www.youtube.com/channel/UC_bdG719cfjaSbcLicmsaqA
Facebook https://www.facebook.com/FisioFitnessPilates
Instagram https://www.instagram.com/thepilatesfisio